Contido

Cinema
 
Final Fantasy VII - Advent Children
por Liza Meller em 09-10-2005 16:24
http://contido.com.br/?aid=71
 
Vem aí uma nova linguagem em cinema.
 

Em primeiro lugar, é preciso esclarecer que a intenção deste artigo não é analisar o filme em seus méritos cinematográficos. Tampouco pretende ser uma análise técnica profunda de um filme de animação 3D. O filme é o que se espera de uma produção japonesa de animação, história razoável, boas seqüências de ação e apuro técnico, seja na animação, nos efeitos especiais ou na trilha sonora.

Excelência esperada na animação japonesa

Dito isso, podemos seguir para o que é, para mim, o mérito e talvez a verdadeira novidade de FF VII: sua linguagem. Porque é aqui que ele se destaca e distancia dos demais filmes de animação 3D.

Façamos uma pequena pausa para explicar linguagem: no cinema dito convencional, com atores de carne e osso, a linguagem, o meio como é contada a história, foi herdada do teatro. Mesmo modificada ao longo dos anos para adequar-se ao novo meio (a tela grande do cinema), a linguagem continua em sua essência intacta: é o ator que incorpora o personagem e transmite, com todas as suas expressões (fala, voz, facial, corporal) os sentimentos, pensamentos e ações do personagem.

Expressão facial vivida e humana

A linguagem da animação 2D surgiu paralelamente à do cinema: quando se colocaram imagens em movimento, simultaneamente percebeu-se que era possível fazê-lo com desenhos. Mas a linguagem visual da animação desenhada, ao contrário do cinema com atores, vem de outra fonte: a pintura. E com isso, traz consigo outra bagagem: a perspectiva, que "engana" o olhar para fazer um objeto 2D parecer tridimensional, os truques técnicos da animação para simplificar ao máximo o trabalho dos desenhistas sem prejudicar o ritmo visual da história, além de toda a teoria cinemática na qual se baseia para criar movimento a partir de imagens que sozinhas, são estáticas.

Ação sem compromisso com a relidade física

Mas você pergunta o que tudo isso tem a ver com FF VII? Bem, tudo. Essa é a grande novidade deste filme: ele combina de forma extremamente interessante a linguagem do cinema com atores vivos e a da animação, criando uma nova opção de linguagem, uma terceira via digamos assim. Podemos ver isso na excelente expressão facial e corporal dos personagens, que às vezes é assustadoramente viva, em contraponto às cenas de ação, visivelmente esquemáticas, demonstrando com isso que sua origem são os videogames.

Mix de linguagens

Há cenas em que um olhar, um movimento de cabeça ou corpo dos personagens nos remete claramente a atores de carne e osso. Outras, como quando os personagens duelam e simultaneamente pilotam motos em alta velocidade, apresentam uma viva relação com a animação 2D: os cabelos, que em uma situação real estariam completamente dominados pelo vento, movem-se apenas com um leve sopro, como uma brisa, num total descompromisso com as leis da física, claramente herdado do cinema de animação. Cinematograficamente, o filme às vezes lembra a ação irreal e plasticamente bela dos filmes chineses; em outras, o drama interior sempre presente no cinema japonês.

Toda a plasticidade do cinema oriental

E essa é a grande novidade anunciada por FF VII – Advent Children: diferente de outras animações 3D, como por exemplo Toy Story ou Jimmy Neutron, que baseiam toda sua cinematografia na técnica de stop motion (animação com bonecos) para imprimir realidade ao movimento que vemos na tela, Final Fantasy nos oferece uma nova perspectiva que pode se transformar em uma linguagem artística completamente nova: nem cinema convencional de atores nem animação, mas uma surpreendente e cativante mistura de ambos.

Nova linguagem cinematográfica

Final Fantasy VII: Advent Children (101 min)
Direção: Tetsuya Nomura e Takeshi Nozue (co-diretor)
Produção: Square Enix


E mais:
O chefe que queria ser rei
Medo e servidão são as principais ferramentas de opressão no ambiente de trabalho de milhões de pessoas.
9 dicas Para Melhorar Seu Perfil no Happn
Tá difícil rolar uns crushes no happn? Essas dicas vão te ajudar a conseguir mais!
Como escrever argumentos para videoclipes
Veja o argumento completo do videoclipe Turn Down For What
Shoutcast para quem quer ouvir boa música
Nunca usei Rdio, Pandora ou Spotify e não sinto falta.
Professor real, alunas virtuais e sexy
E se a realidade virtual servir para mais do que se imagina?
Tirando desenhos do papel, de verdade
Quiver é um app divertido para dar vida aos coloridos das crianças.
Robôs precisam de conexões globais 24h por dia
Grandes empresas estão na corrida para conectar o mundo
Nobuyuki Forces: gratuito, independente e ótimo
Jogo de ação, casual e com adrenalina máxima para testar sua atenção e pontaria.
Porque se inspirar logo de manhã
Escapar da rotina começa cedo.
Amor real por personagens vituais
O que vale mais: a realidade ou a percepção?

 
Arte | Bon Vivant | Cinema | Culinária | Design | Exposições | HQ/Manga | Idéias | Ilustração | Internet | Literatura | Moda | Música | Negócios | Tecnologia | TV | Videogames
 
Busca no Contido:
©Alex Nautilus :: CONTIDO.com.br :: SOBRE O SITE :: RSS :: @contido no Twitter